Skip to content

Incontida

10/11/2010

Jaqueline Corrêa

Ela esperava por ele toda manhã. Há tempos, o bonito moço calmo e atraente não passava mais. À noite, sempre lhe dizia como era boa sua companhia; seu cheiro; as suaves mãos que afagavam seu rosto e acariciavam seus cabelos.

Ela era ingênua, e tão doce quanto fiel. Sempre o aguardava e se machucava com a ausência dele. Seu homem. Sua vida. Sua morte. Mas quando ele surgiu sem esperar, assustou-se com sua aparência vil. Estava tão frio, feio, doente; agressivo. E já não mais reconhecendo-o, chorou. Tanto, que soluçava, gritava. Ele não era o mesmo, e tão logo se imaginou enlouquecida.

Mas agora ela aparece cabisbaixa, comovida, incontida. Os longos cabelos negros cobrem o rosto entristecido por completo. Anda como um zumbi, e ele continua ali, latejando em seus pensamentos. Até que um grito lhe chama, e ela acorda do pesadelo sombrio.  Os loiros cabelos reluzem com a luz do dia e já correm alegres e esperançosos, prontos para mais um afago sonhador.

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 10/11/2010 15:33

    Aí, pessoal, bela iniciativa, a do Blog.
    Estou adorando. Avante!!
    abraços do
    sergio

  2. Fernanda Campos Costa permalink
    12/11/2010 13:55

    Adorei Jaqueline! Percebi nesta sua pequena amostra um texto consistente e vibrante, simples e ao mesmo tempo absolutamente profundo. Mas não se contenha, heim?! Mostra mais o seu talento pra gente? Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: